Domingo, 20 de Abril De 2008

Luar -Sol da meia noite

Acabei de escrever um soneto que vou passar para vós, espero que alguém leia e goste.
                        
Sol da meia noite
                        
Chega a noite, e o Sol desaparece
E a Lua vem, ocupar o seu lugar
Espalhando pela terra, o seu luar
Que sendo frio, as nossas almas aquece
                                
Lua! és mistério, e convidas à Paixão
A tua luz, é suave e feiticeira
E tomas conta dos sentidos, de maneira
Que nos roubas, muitas vezes a razão
                               
Quantas vezes ao luar, nos esquecemos
E prateamos nossas vidas, j à sem cor
E esquecemos, a dura realidade
                         
Porque de dia, a vida que nós vivemos
É tão diferente, cheia de m à goa e dor
Mas essa sim, ser à a nossa verdade
                                    M-I-P
sinto-me: Atrasada
publicado por linhaseletras às 19:19
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
Sábado, 19 de Abril De 2008

Tempo para viver

Olá ! Hoje vou publicar umas quadras que fiz há já algum tempo, ainda não tinha descoberto os sonetos o que eu fazia eram 
                 
Tempo de viver
                  
Ó tempo, podes parar!
Para eu poder viver?
Porque o fim pode esperar,
Tenho muito que fazer
                    
Apanhei a vida a meio
E bastante devagar
Por isso tenho receio
Do tempo não me chegar
                  
Tracei na vida projectos
E quero realizá-los
Quero ver crescer meus netos
Tambem poder ajuda-los
                     
Por isso quero viver
O mais tempo que puder
Para conseguir fazer
Aquilo que eu quiser
 
                    M-I-P
sinto-me: Anciosa
publicado por linhaseletras às 22:54
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
Quinta-feira, 17 de Abril De 2008

Regresso

Olá hoje vou oferecer-vos o último soneto que fiz no Alentejo , então vamos a ver se gostam, porque é um pouco esquisito , mas era o que estava a sentir naquele momento, foi escrito na última noite que lá passei.
 
                     
Chegar estar e partir
                
Eu não consigo entender
Este misto de emoções
Eu tenho tantas Paixões
Que não dá para perceber
                 
Quando chego, é alegria
Se cá estou, sinto saudade
É tamanha a ansiedade
Que chega a ser agonia
                         
Chega a hora de ir embora
E sinto uma dor no peito
Que é difícil   de aguentar
                        
Aquilo que sinto agora
Parece um sonho desfeito
Que já não há volta a dar
 
   M-I-P                                              
sinto-me: Como o tempo
publicado por linhaseletras às 23:31
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 10 de Abril De 2008

QUINTA FEIRA CHUVOSA

Vou ver se consigo fazer alguma coisa, porque a »NET«, aqui é muito fraca, vou publicar um soneto que escrevi ontem á noite.
Calma e Poesia
                
Já que eu nasci Poeta
E Poeta irei morrer
Tudo aquilo que eu escrever
Será uma porta aberta
                 
É uma  porta para o mundo
Que se abre á fantasia
Porque escrever Poesia
É um desejo profundo
                    
Onde só há escuridão
Poesia é uma luz
Que nos ilumina a alma
                   
Tudo se faz com Paixão
E tudo o que se produz
Nos torna a vida mais calma
  M-I-P                              
sinto-me:
publicado por linhaseletras às 20:04
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
Domingo, 13 de Janeiro De 2008

Domingo cinzento

Que dia tão triste e melancólico, mas eu gosto deste tempo, que tem muito a ver comigo, e hoje como não deu para secar a roupa fiquei com mais tempo para fazer o que realmente me dá prazer, ou seja escrever e andar a bisbilhotar os outros blogs. 
Mas também me deu para fazer uns versos a condizer com o dia, e que como já é hábito vou partilhá-los convosco           
 
 
 
Melancolia
     
 
 
Que dia triste e cinzento
Como eu neste momento
Me estou sentindo também
Só o sol traz calor
Com ele vem o Amor
Que tanto brilho contém
                    
Embora eu goste do dia
Com esta melancolia
Que se parece comigo
Também sei compreender
Que não pode só chover
Se for demais! é um perigo
                   
Com conta ,peso e medida
Como em tudo na vida
Sem excepção da natureza
Só assim nós viveremos
Felizes também seremos
Vindo da terra riqueza
 
 
 
Agora vou jantar  E depois vou tomar  
 
 
São servidos  
 
 
 
 
 
sinto-me:
publicado por linhaseletras às 20:02
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim

pesquisar

 

Agosto 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
23
24
25
26
27
28
29
30
31