Domingo, 08 de Junho De 2008

Aniversário

            Este post hoje é dedicado ao meu neto Ricardo que faz hoje 15 anos
 
 
 
Para o Ricardo com  "Amor"
 
 
Para ti mais um ano! Que alegria
Para mim  mais um, a acrescentar
Já são tantos que eu conto, sem parar
De pedir por ti a Deus, todos os dias
 
Peço longa vida, e muita sorte
Felicidade, Paz,  e muito Amor
Para teus Pais, orgulho em teu valor
Que cresças, sejas homem de bom porte
 
Beijinhos do Avô e da Avó
Que te Amam, te adoram sem cobrança
 E desejam para ti, prosperidade
 
Na vida tu sabes, não estás só
Tenta manter sempre, a esperança
E luta pela tua, felicidade
 
 
  Para o Ricardo               
 








sinto-me: Cansada
publicado por linhaseletras às 14:36
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 24 de Abril De 2008

Dia da Liberdade

   Està a fazer 34 anos que a Liberdade chegou, eu vou publicar aqui o que escrevi nessa altura e o que acabo de escrever  agora ,e não vou escrever mais sobre isso porque o serão, não chegava para dizer tanta coisa, então vamos ao poemas.
 
                     
25 de Abril /74
                  
 
Ó vinte e cinco de Abril
Ó dia da Liberdade
Foi o dia mais feliz
Da história da Humanidade
                 
Que Deus conserve esta Paz
Que existe nos corações
Porque só Ele é capaz
De controlar emoções
                   
Foi o dia mais ditoso
Que Portugal viveu
Saindo vitorioso
Do destino que escolheu
                 
Não hà palavras sequer
Para definir esse dia
Foi bom pode-lo viver
E sentir essa alegria
 
                 
 
  
Agora vou publicar o que fiz hoje, eu acho que não tem nada a ver um com o outro.
 
                                                        
25 de Abril /2008
                            
Passados, estes trinta e quatro anos
Diz-me! Onde mora a Liberdade
Serà Que é na rua da saudade
Ou serà Na praça dos desenganos
                     
´Tantos sonhos, que já foram enterrados
Coisas simples, a que nós temos direito
Que por terem  pecado, por defeito
Se perderam, e não foram encontradas
                        
E todos os que são, da minha idade
E vivemos aquela, Revolução
Não nos esquecemos, nunca mais
                      
Damos muito mais valor, à Liberdade
Recordamos esses dias, de emoção
Sabendo que não voltam nunca mais 
 
                                                                                 M-I-P
sinto-me: Livre
publicado por linhaseletras às 23:48
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 09 de Abril De 2008

Dia de aniversário, estou mais velhota!

Vou tentar escrever alguma coisa, já que não posso sair de casa porque está a chover torrencialmente. Ontem quando vinha para cá, enquanto o carro rolava pela estrada meus olhos deliciavam-se a olhar os campos cobertos de flores campestres, e na minha cabeça iam surgindo ideias e palavras que quando cá cheguei passei para o papel, e deu isto que vou passar para vós.
 
 
Flores selvagens
            
Ao longo da longa estrada
Espreitam as Estevas selvagens
Lindas como uma miragem
Com brancas flores pintadas
                   
Até o mato bravio
Também tem sua beleza
Só porque a Mãe Natureza
Com um manto branco o cobriu
                   
Tapetes de várias cores
Se estendem sobre a paisagem
Como se fossem umas telas
                 
São tantas! tantas! flores
Formando uma bela imagem
Brancas,roxas,amarelas
                                                
  M-I-P
 
 
  Como estou sozinha canto os parabéns a mim própria , não acham que faço bem, isto é a prova que há uma criança dentro de nós, só que há muita gente que tem vergonha de a mostrar
 
 
 
                                                                         
     Até logo
sinto-me: Muito bem disposta
publicado por linhaseletras às 14:40
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
Sexta-feira, 14 de Março De 2008

Presente

Olá! Hoje vou dedicar este post á minha sobrinha, muito querida que faz hoje anos por isso não me vou alongar, e vou já escrever o poema que fiz hoje.
 Não tem nada a ver com ela , mas vou dedicá-lo especialmente a ela.
                            
                                  
Poesia
 
 
Tinha uma arma escondida, e não sabia
Para lutar contra a tristeza, e o desgosto
E para pôr alegria, no meu rosto
Essa arma se chama Poesia
                              
Dentro de mim já travei, muitas batalhas
Dei de caras com Dragões, e Adamastores
Jã passei pela casa, dos horrores
Depois de tudo, fiquei feita em migalhas
                               
Peguei nos cacos, que sobraram e colei
Fiquei inteira, com algumas cicatrizes
Mas  a semente que planteio  já deu flor
                             
Após chegar ao fim, eu reparei
Que ao chão, eu estava presa por raizes
Raizes fortes, que sustentam  meu Amor
  
  
M-I-P                                                     
sinto-me:
publicado por linhaseletras às 20:58
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim

pesquisar

 

Agosto 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
23
24
25
26
27
28
29
30
31