Descida ao inferno

 
 
Passei para este soneto, imagens  escritas  daquilo que fui vendo á beira da estrada no caminho para cá, e me deixaram a pensar como a vida é dura  e muitas vezes cruel, e como há muita gente que não consegue enfrentar, e lutar doutra maneira com as dificuldades, que a vida apresenta.
 
 
Descida ao "Inferno"
 
Expões o teu corpo, sem pudor
Á beira duma estrada, nacional
Quem passa e te censura, afinal
Não sabe como é grande a tua dor
 
Não será por prazer que te "Atiras"
Sozinha abandonada, á tua sorte
Quantas vezes tu preferias, a morte
Em vez dessa vida de mentiras
 
Ninguém te respeita, e sabes bem
A culpa não será  só toda tua
Mas és tu que vais pagar, a factura
 
Um dia tu pensaste ser alguém
Mas foste atirada para a rua
E caíste nessa vida muito dura
 
 
 M-I-P                                 







publicado por linhaseletras às 21:34
link do post | comentar | favorito