Quarenta graus á sombra

 
 
 
Terra sofrida
 
 
 Pelo Sol quente, és castigado
Por isso choras, tuas mágoas
E quando há falta, de água
Ficas seco, triste e magoado
 
 
Gritas bem alto, a tua sede
Mas não há quem de dei-a solução
No peito bate forte, um coração
Sendo livre está preso, numa rede
 
 
És mártir e és sacrificado
É de extremos, a tua "Natureza"
Mas mostra a tua alma, guerreira
 
Por todos os teus "Filhos" és amado

  Durante todo o ano, tens beleza

Tão singela, tão pura e verdadeira

 

 

 

    M-I-P                                                                    

 

 

 

 







publicado por linhaseletras às 23:24
link do post | comentar | favorito