Uma história ao acaso

 

 

Uma história ao acaso

 

 

 

Eram 6,3o da manhã, duma manhã fria de Inverno, mas diziam os meteorologistas que ia estar um Sol radioso, o despertador fez aquele barulho horrível,  estendi o braço para o "calar" mas de repente abri os olhos e lembrei-me que  ia viajar, era uma viagem com um sabor especial.

Mais uma vez ia ao meu Alentejo e isso era um bom motivo para sair da cama aquela hora da manhã.

Era Inverno  o dia estava muito bonito mas muito frio

O Sol brilhava com uma intensidade que quase nos "cegava" e o céu estava tão azul que  mais parecia uma enorme"safira"

Mas o melhor estava para vir. Ao fim de algum tempo de viagem entrei no Alentejo e o Sol tornou-se ainda mais  brilhante e o céu ainda mais azul.

Tinha caído geada durante a noite e o chão estava branquinho cheio de gotas de orvalho que mais pareciam  cristais.

Mas o que mais me impressionou foi ver o Sol por entre as azinheiras e chaparros lançar  uns raios dourados como "ouro".

Assim que tocavam o chão formava-se um nevoeiro que bailava e chocando com os raios de Sol fazia um efeito "mágico, onde se misturavam as gotas de orvalho com o dourado do Sol tudo junto dava  um efeito espectacular que não dá para descrever.

Eu sei que esta viagem foi muito bonita e eu tentei gravar  na memória aquela imagem e consegui, porque ainda hoje quando fecho os olhos consigo ver esse espectáculo da Natureza.

Depois de chegar ao meu destino e descansar umas horas fiz o percurso inverso e o que tinha visto  de manhã transformou-se noutro espectáculo tão belo ou ainda mais belo que  aquele a  que tinha assistido  umas horas antes.

Onde havia nevoeiro e gotas de orvalho estava agora a descoberto campos  de malmequeres brancos como a neve numa extensão a perder de vista a fazer lembrar a chegada da Primavera.

Ah! Como eu gostava de ter tempo para passar as manhãs a ver os raios de Sol a beijar  a terra e a terra a agradecer, lançando nevoeiro para os "conquistar".

Quem me dera puder passar pelos campos á tardinha e receber o aroma dos malmequeres pequeninos que ao longe mais parece um quadro pintado por algum pintor que por ali passou e tal como eu ficou enamorado por aquela beleza pura e tão Natural.

A juntar a esta beleza ainda há os animais as vacas  os cavalos  as ovelhas e os porcos também, que gozando aquele Sol de Inverno se vão alimentando das ervas frescas que brotam do chão por todo o lado, e os coelhos bravos que saem das suas tocas e vêm para o Sol "lavar " as suas orelhinhas e aquecerem-se.

Isto não é ficção é realidade aquela realidade  que só quem vive no campo tem o privilégio de ver e sentir

Quem me dera ser uma dessas pessoas privilegiadas, mas como não sou vou  ter e saborear de vez em quando essa imagens "mágicas" e maravilhosas

 

                                http://fabricadehistorias.blogs.sapo.pt/

 Texto escrito para :

publicado por linhaseletras às 23:12
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito