Domingo, 30 de Novembro De 2008

Desigualdade

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Desigualdade
 
Toda aquela gente, que estraga
Devia-se lembrar, só um pouquinho
De alguém que se cruza, em seu caminho
Que para comer e beber, não têm nada
 
 
Há frases tão bonitas, de dizer
Mas pô-las em prática, há muito pouco
Só alguém a quem outros, chamam louco
Consegue amenizar, algum sofrer
 
 
Só os pobres dividem, entre si
O pouco que a vida, lhes concede
E dão com alegria, de presente
 
 
E há tanta riqueza por ai
Tanta coisa boa, que se perde
Que matava a fome, a tanta gente
 
 
 
   M-I-P

 

publicado por linhaseletras às 22:52
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito

Bom Domingo

Eu hoje não escrevi nada mas não quiz deixar de vir aqui para vos deixar  o meu desejo de Bom Domingo para todos que por aqui passarem.
Eu hoje estou como o tempo, muito "cinzenta", mas amanhã já vou estar "cor de rosa" se Deus quiser.
Vou deixar aqui uma quadra, e para a próxima vez talvez desenvolva este tema que me choca, e toca-me bastante, e sabe-se lá quando no´s também vamos precisar, que façam o mesmo por nós.
 
 
 Há gente a pedir comer
Para dar a quem tem fome
E tanta gente a viver
Nesta miséria sem nome 
  
 
 
      Amor sem barreiras
 
 
 
 
                                                                                                                     M-I-P
                                                                             
publicado por linhaseletras às 00:06
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
Quinta-feira, 27 de Novembro De 2008

Desfile das Rosas

 
Boa Noite, este post   dedicado a todos os que por aqui passarem e também  pelo blog do "FeeStyle" onde me encontro a desfilar, muito nervosa por sinal.
Entretanto fiz este soneto para comemorar a minha estreia como participante nesse desfile.
Então para todos aqui fica o soneto, que acabo de escrever
 
Desfile da "Rosa"
 
O meu traje de noite, a cintilar
Tem o brilho mágico, das estrelas
Olhei para o Céu, para poder vê-las
E vi que algumas, estavam a espreitar
 
 
Trémula mas feliz, eu desfilei
Num desfile que é imaginário
Eu nunca supus, que era o contrário
Foi assim que emocionada, aceitei
 
Há gente a assistir, maravilhosa
Batendo palmas e gritando "Bis"
E eu timidamente, vou passando
 
É assim que é o desfile da "Rosa"
E nesta passerelle sou feliz
Com  amigos virtuais me vou cruzando
 
                                                           M-I-P
publicado por linhaseletras às 23:26
link do post | comentar | ver comentários (12) | favorito

...

Hoje como não escrevi nada fui ler alguma Poesia da minha Poetisa de eleição e este soneto disse-me alguma coisa, revi-me talvez nele e aqui vos deixo esta  maravilha
 
EU

Eu sou a que no mundo anda perdida,
Eu sou a que na vida não tem norte,
Sou a irmã do Sonho, e desta sorte
Sou a crucificada... a dolorida...

Sombra de névoa ténue e esvaecida,
E que o destino amargo, triste e forte,
Impele brutalmente para a morte!
Alma de luto sempre incompreendida!...

Sou aquela que passa e ninguém vê...
Sou a que chamam triste sem o ser...
Sou a que chora sem saber porquê...

Sou talvez a visão que Alguém sonhou,

Alguém que veio ao mundo para me ver
E que nunca na vida me encontrou!
 
 
Poema de Florbela Espanca
 
 
 
              M-I-P                                     
publicado por linhaseletras às 00:30
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
Terça-feira, 25 de Novembro De 2008

Palavra de Honra?

 
 
Palavra de Honra?
 
 
Ainda sou do tempo, da palavra
Ser tão valiosa, como o ouro
A Honra também era um tesouro
Aquilo que era dito, é que contava
 
O valor da palavra, se perdeu
Nada do que é dito, é confirmado
Por mais que  afirme, tudo é negado
Para ser verdade, alguém escreveu
 
Tem que ser escrito, e carimbado
Já nem vale a pena, nem falar
Ninguém acredita, senão ler
 
Saudades desse tempo, já passado
Que não volta, mas que nos deixa a pensar
Que bom   era esse tempo, para viver
 
 
                  M-I-P
publicado por linhaseletras às 22:08
link do post | comentar | ver comentários (8) | favorito
Domingo, 23 de Novembro De 2008

Mais uma ruga

 
 
 
 
 
 
 
 
       
 
 
 
         Rugas
 
 
Olhei-me no espelho, e vi sinais
De mais uma ruga, no meu rosto
Não é que me vá, causar desgosto
É mais uma que junto, a muitas mais
 
 
Será que o espelho, está quebrado
E deixou um vinco,na imagem?
Assim faço mais, uma passagem
Para analisar o resultado
 
 
 
Rugas são troféus, que conquistei
Nas guerras que travei, no dia a dia
É preciso guardá-las, com carinho
 
 
Em cada uma delas, lembrarei
Tristezas, dissabores e alegria
Tudo o que encontrei, no meu caminho
 
 
      Este  é o "Spirit" a fazer traquinices                       M-I-P

 

publicado por linhaseletras às 22:33
link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito
Sábado, 22 de Novembro De 2008

A Noite e a Madrugada

 
 
A Noite e a Madrugada
 
 
 
A Noite da vida, já vai longa
Está quase na hora de dormir
Tenho que fazer, não posso ir
Quero aproveitar bem, esta "onda"
 
 
Já está chegando, a madrugada
Meu corpo está cansado, não importa
O Sol já brilhando, bate á porta
Eu dou-lhe os Bons Dias encantada
 
 
O galo já cantou, bem afinado
Para despertar quem está dormindo
Para receber a bela "Aurora"
 
 
Agora  o meu corpo, já cansado
Vai perdendo forças, e vou indo
Bem devagarinho, noite fora
 
 
 
                               

          M-I-P                     

 

publicado por linhaseletras às 19:53
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
Quinta-feira, 20 de Novembro De 2008

Abraço

 
 
 
 
Hoje estou numa onda de romantismo, senão vejam o que escrevi agora mesmo.
 
 
 
 
 
 
Abraço
 
Aperta-me em teus braços, com calor
Diz que me Amas, sem ter medo
Não guardes para ti, esse segredo
E divide comigo, o teu Amor
 
Põe a tua mão, sobre o meu peito
E sente o bater, acelerado
Deste coração, apaixonado
Que por te Amar demais, já tem defeito
 
O Amor é eterno, enquanto dura
Pois que dure por toda a Eternidade
E não passe apenas, de ilusão
 
A ti eu te dei, minha candura
Que tu transformaste, em felicidade
E hoje eu recordo, com emoção
 
 
                                                                                                                            
                                                               M-I-P 








publicado por linhaseletras às 23:23
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
Quarta-feira, 19 de Novembro De 2008

Só um brinquedo

Está-se a aproximar o Natal e já começo a ficar mais triste, porque para mim esta quadra é talvez  a época mais triste do ANO.
Começo a sentir a falta de pessoas muito importantes na minha vida, e que já partiram, e vejo que cada vez há mais pessoas com muitas dificuldades, muitos PAIS que não podem comprar aquele brinquedo que o seu filho viu e lhe pediu, e até mesmo aquele miminho para pôr na mesa na noite de Natal.
E então ai sobram as lágrimas, e cada vez há mais lágrimas a engrossar este  Rio da desilusão e da desgraça que é o nosso Pais, mas no meio disto tudo ainda há quem tenha tanto dinheiro que nem sabe quanto e que nem queira saber, porque tem quem se encarregue de o contar por Ele, e gastam milhares de euros só pelo prazer de gastar.
Vou ficar por aqui, porque não adianta nós lamentarmo-nos, e a pensar nestas coisas todas surgiu este soneto.
                                                          
 
Dêem um brinquedo
 
 
Longe vão os tempos, em que havia
Brilho nos olhares, das pessoas
Podia-se pensar, em coisas boas
Natal era motivo, de alegria
 
Nas longas Avenidas, tão vazias
Há milhares de luzes, a brilhar
Cintilam, para nos fazer lembrar
Que o Natal  devia ser, todos os dias
 
Vi ali em baixo, numa esquina
Á porta duma loja, de brinquedos
Alguém que parou, só para olhar
 
Aproximei-me e vi, uma menina
Limpando uma lágrima, com os dedos
Chorando por não ter , com  o que brincar
 
 
 
 
   M-I-P                             
 
 
publicado por linhaseletras às 23:25
link do post | comentar | ver comentários (8) | favorito
Terça-feira, 18 de Novembro De 2008

Espelho quebrado

Estas quadras foram feitas para responder ao desafio de "Velucia" de "Quebrando o espelho"
 
 
 
 
Espelho quebrado
 
Quando ia a passar, parei
Olhei para o espelho, em seguida
O que lá vi, eu não sei
Penso que era a minha vida
 
 
Não dava para perceber
O que o espelho, reflectia
Só sei que o que estava a ver
Comigo não se parecia
 
 
Era sim a minha imagem
Só que o espelho, está partido
Por isso nesta passagem
O que vi não tem sentido
 
 
Não vou voltar a olhar
Minha imagem é destorcida
Vou seguir, vou caminhar
Vou fazer p`la minha vida
 
    M-I-P                
 
 
 
publicado por linhaseletras às 22:38
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito

mais sobre mim

pesquisar

 

Novembro 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
13
15
17
21
24
26
28
29