Quinta-feira, 30 de Outubro De 2008

A partida

 
 
 
Este fim de semana que passou, foi trágico, porque "Partiram" duas pessoas que me deixaram muito triste e por isso os meus sonetos retratam o meu estado de espírito, aqui vai o segundo dentro  da mesma linha do anterior.
 
 
O Fim
 
 
A força da terra, chama a "Si"
Quem um dia a pisou com devoção
Podes afastar o corpo, com razão
Mas a alma, essa não! Pois fica aqui
 
Fica amarrada, e presa á terra
Que nos viu nascer, e abalar
Um dia havemos, de voltar
E ver a beleza, que ela encerra
 
É um chamamento, muito forte
Ninguém resiste, ao seu chamado
E volta quase sempre, ao seu "Porto"
 
Quantas vezes, só depois da morte
É que volta atrás, ao seu passado
E á terra amada, entrega o corpo
 
   M-I-P                           







publicado por linhaseletras às 23:44
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
Terça-feira, 28 de Outubro De 2008

Perda e Dor

 
 
 
Perda e Dor
 
Não há maior dor, que a dor "Maior"
De quem perde um pedaço, do seu "Ser"
Nada mais interessa! Nem viver
E o mundo até perde, a sua cor
 
Há um mar de lágrimas, onde morre
Toda a esperança, que te resta
Tudo á tua volta, nada presta
Até o tempo pára! Já não corre 
 
 
Já não há motivo, para correr
Tudo o que era vida, se acabou
Fica a amargura, e a ansiedade
 
O tempo se encarrega, de fazer
Com aquela dor, que cá ficou
Um misto de tristeza e de saudade
 
             M-I-P
 
 
 



 





publicado por linhaseletras às 23:46
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
Segunda-feira, 27 de Outubro De 2008

Borboletas

 
 
Borboletas
 
 
Beijando as flores, do meu jardim
Ás dezenas borboletas, esvoaçam
Olho para elas, e as horas passam
Tão rápido, e o dia chega ao fim
 
Pássaros cantam, em sinfonia
Dando graças ao Sol, que os aquece
Com o passar das horas, desaparece
Vem a noite, e a seguir um novo dia
 
Quem dera eu pudesse, aqui ficar
Estando ao mesmo tempo, noutro sitio
Dividir ao meio, meu coração
 
Que bom seria, eu poder estar
A alimentar este meu vicio
E viver este momento de Paixão
 
 
 
  M-I-P
 
 
 
 
 
publicado por linhaseletras às 22:10
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 24 de Outubro De 2008

Hipocrisia

 
 
Hipocrisia
 
 
 
Eu vejo no olhar, hipocrisia
De quem olha, para o outro com desdém
Pensando! Que ele sim , ele é alguém
E que os outros, são pura fantasia
 
 
Talvez não conheçam, a igualdade
E não saibam ler, em cada rosto
Aquilo que é chamado, de desgosto
Por se ser ignorado, com maldade
 
 
Inveja, hipocrisia e ambição
Chagas que alastram, sem ter cura
Formando epidemia, universal
 
 
Quando pensares, com o coração
Sentirás a tua alma, mais pura
E consegues se parar, o bem do mal
 
 
   M-I-P 







publicado por linhaseletras às 23:56
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
Quinta-feira, 23 de Outubro De 2008

Eu sou assim

Eu sou assim
 
 
 
Não sendo eu aquilo, que pareço
Sou feliz porque Deus, me fez assim
Ninguém sabe , o segredo que há em mim
E eu tenho tudo aquilo, que mereço
 
 
Talvez meressece mais, mas não faz mal
O que tenho, já me chega para viver
Mesmo assim não páro, ando a correr
Atrás nem sei de quê, tudo é igual
 
 
Uma voz sussurra-me, ao ouvido
Palavras em segredo, só para mim
Cheias de carinho, Amor esperança
 
 
Quando as ouço, a vida faz sentido
E sigo sempre em fernte, até ao fim
Mantendo as coisas boas, na lembrança
 
 
                 M-I-P                          
 
 








 

publicado por linhaseletras às 23:53
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Quarta-feira, 22 de Outubro De 2008

Igualdade

 
 
Igualdade
 
Todo o Ser humano,é igual
Tem dentro do peito, um coração
Que sabe controlar, a emoção
Sabendo separar, o bem do mal
 
Existem várias raças, diferentes
Mas o sangue das veias, é vermelho
Seja criança, jovem, ou mesmo velho
Não importa , que afinal é tudo gente
 
Tanta gente que sofre, com  a guerra
Falta tudo,  até vontade de viver
E se calam, já sem forças para gritar
 
Será que quem manda, nesta terra
Pode minimizar este sofrer
Desta gente, que não pára de lutar
 
  
M-I-P





publicado por linhaseletras às 22:20
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
Terça-feira, 21 de Outubro De 2008

Arquivo

 
 
Hoje vou publicar umas quadras que fiz há muitos anos, e não tem nada a ver  com a vida que tenho agora, mas como hoje não escrevi nada, fui ao meu arquivo buscar estes, mas quando foram escritos era assim mesmo, infelizmente.
 
 
 
 
Desprezo
 
 
Tu já não gostas de mim
Mas eu não sei a razão
Não posso viver assim
Sem carinho e afeição
 
Tenho-te amado bastante
Nem podes imaginar
Tu já não és como dantes
 Já me estás a desprezar
 
Tu não encontras ninguém
Que te faça o que eu te fiz
Que te queira tanto bem
E seja tão infeliz
                            
Junto ao altar do Senhor
Olhei-o crucificado
 A ti dei-te o meu Amor
 Que tu tens posto de lado
 
                                                 
 
 M-I-P
 








publicado por linhaseletras às 20:25
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

...

 
 
 
 
 
MÃE, APESAR DE TUDO!
 
Nascem-me sonetos da ponta dos dedos
Como sendo feitos de humanas carícias...
Crescem-me sonetos, nascem-me primícias;
Vão-se embora as dores, vão-se embora os medos.
 
Por quantos sonetos me nascem das mãos
Ou por quantos versos surgem deste enleio
Dos dedos criando, sem qualquer receio,
palavras que encarnam, entre os seus irmãos
 
Eu me alegro mais, me sinto mais viva,
Não páro um segundo! E esta comitiva
De ideias e sonhos procurando rumos,
 
Fazem de mim mãe na estranha acepção
Que outos não entendem, que nunca lhe dão
Porque a gastam toda nos velhos consumos...
 
 
À Linhaseletras
 
 
Este soneto foi escrito por: Maria João Brito de Sousa (Poetaporkedeusker) e foi-me oferecido, e vou guardá-lo com muito carinho, e com muito orgulho por ter alguém que escreve a pensra em mim sem sequer me conhecer.
Muito obrigado pela sua gentileza
 
         M-I-P                       
publicado por linhaseletras às 00:36
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Domingo, 19 de Outubro De 2008

Resignação

 
 
 
 
 
Resignação
 
 
Talvez eu não sejas, quem tu queres
Mas sou e serei,  a tua Amada
Não quero ser, como as mulheres
Que pensam, que dão tudo! e não dão nada
 
Fui paciente, quando a vida
Nos maltratava a nós, sem piedade
Enfrentei a dor, muito sofrida
E não vivi a minha, mocidade
 
Nunca esquecerei, a minha mágoa
Mas a vida ensinou-me, a perdoar
Mesmo com os olhos, rasos de água
Houve sempre Amor, para partilhar
 
Não guardo rancor! Talvez tristeza
Será que alguém tem culpa? Acho que não
Mas sigo pela vida, com a certeza
Que só ouvi a voz, do coração
 
 
                M-I-P                                                

 

 

 

                                  
 
 







publicado por linhaseletras às 16:50
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
Sábado, 18 de Outubro De 2008

Perto do "Fim"

 
 
 
 
Perto do "Fim"
 
 
Já estive perto, e vi a luz
Tão cintilante, tão chamativa
Não tive medo, mas vi a vida
A afastar-se, com  a minha cruz
 
Tudo era calmo, e com magia
E devagar, eu fui subindo
Sem saber ,para onde ia indo
Eu só pensava, é que partia
 
Desde esse dia, dou mais valor
Aquelas coisas, que são pequenas
Mas são tão grandes, dentro de mim
                             
 
Sinto pela vida, um grande Amor
Minhas ideias, são mais serenas
Porque já estive, perto do fim




                    M-I-P

publicado por linhaseletras às 20:21
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito

mais sobre mim

pesquisar

 

Outubro 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
13
15
17
20
25
26
29
31