Domingo, 16 de Dezembro De 2007

OBRIGADO

Obrigado a todos os que fazem o favor de visitarem o meu blog, e de lerem os meus desabafos

 

Eu não fazia ideia que havia tanta gente com os mesmos gostos que eu, mas isso deixa-me

 

muito feliz e com mais vontade de fazer novas coisas.  Eu só escrevo aquilo que sinto e

 

 

também por aquilo que passei .Por isso, tudo aquilo que lerem neste blog são pedaços da

 

minha vida, que por sinal  na maoria são tristes porque eu sou triste por Natureza, mas vivo

 

muito bem com isso.

 

Tive uma vida muito sofrida, fui muito maltratada pela vida, mas mesmo assim gosto muito de

 

viver ,e penso que se sofri foi porque noutra vida devo ter feito algo de mal e »paguei nesta».

 

 

 

Mas nunca me entreguei ao desgosto tentei dar sempre a volta por cima á minha maneira !

 

Para acabar a noite aqui vai só mais um poema dos antigos, talvez tenha mais de trinta anos

 

 

 

Sou triste

             

Sou triste por natureza

Não conheço a alegria

Só conheço esta tristeza

Que aumenta dia para dia

               

Talvez num tempo distante

Soubesse o que era a alegria

Mas nesse preciso instante

Trouxeste-me a agonia

            

Os  meus olhos são tão tristes

Triste é o meu coração

A alegria  não existe

Onde existe solidão

            

Talvez por te Amar demais

Eu tenha esta certeza

Em saber  que nunca mais

Me afasto desta trisreza

 

 

Um Xi para todos e um bom resto de domingo 

 

 

 

 

 

publicado por linhaseletras às 22:47
link do post | comentar | favorito

...

Hoje os poemas são dedicados especialmente á minha filha mais nova que faz hoje

                                                                                     

39 anos,  já escrevi um poema hoje que já lhe entreguei, mas que vou também partilhar

                                                                                                              

convosco,junto com outro que fiz á mais tempo ,espero que gostem.

 

Aqui vão eles

PARA  TI

                   

P'ra mim és sempre menina

Não importa a tua idade

É pena que a tua sina

Não te dê Felicidade

             

A nossa vida é um mar

E o Amor está numa ilha

E tu tens muito p'ra Amar

 Porque tens a tua Filha

             

Pois não há Amor maior

Que o Amor Maternal

Os outros só trazem dor

Fazendo-nos muito mal

              

Mesmo assim vamos andando

Sempre em busca desse Perigo

Sabendo que só Amando

A Vida terá sentido

 

Agora vamos aos mais antigos, talvez um mês

                              

Não esqueças o passado

                         

O passado é o que ficou para trás

O presente é o que vives agora

O futuro só Deus sabe o que será

Não percas tempo a fingir que o ignoras

                                      

 

O passado nunca o deves esquecer

E daí tirares algumas  lições

Porque um dia ainda poderás ter

A tua vida repleta de emoções

                           

Não digas não !se o Amor bater á porta

Não tenhas medo de abrir o teu coração

Porque na vida o que realmente importa

É ir em frente e viver uma Paixão

                                    

Paixão é fogo que se extingue lentamente

Amor é chama que nunca se apagará

Por isso Amando viverás eternamente

Apaixonada pouco tempo viverás

 

                                 

Com um grande   da mãe

 

 

publicado por linhaseletras às 17:34
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

VISTA P'RÓ TEJO

Eu hoje estava a ver que não conseguia  entrar  no blog, estive sem »net» todo o serão ,mas tanto

teimei que consegui porque como já sabem eu sou presistente , e teimosa e então a »net» não

pode ser mais teimosa que eu, e também não podia deixar de escrever o poema do dia

 como já é hábito.

Hoje vai ser uma coisa diferente do habitual para não ser sempre »desgraça».

Ora eu moro em frente ao rio TEJO,e um dia estava á janela,  passou um passarinho que

me disse: faz uns versos ao nosso RIO !e eu fiz e agora vou partilhá-los convosco,

 

 

 

VISTA P'RÓ TEJO

                                                                                             

Da minha janela eu vejo

O que tu não vês da tua

As águas brancas do TEJO

Prateadas pela LUA

              

Pelas águas deslizando

Passam grandes batelões

E velas lindas brincando

Em grandes competições

                

Muita gente se aventura

Nas tuas águas revoltas

Numa vida muito dura

De sonhos á rédea solta

               

Pescador tiras das águas

O peixe para comer

Quantas vezes só as mágoas

Te fazem esmorecer

 

Estes foram feitos á pouco tempo, mas o que vêm a seguir foram feitos há mais de vinte

anos

 

 

EU MORO Á BEIRA DO TEJO

                

Eu moro á beira do TEJO 

E tudo o que nele vejo

Me torna mais pensativa

A sua calma eu invejo

Era meu grande desejo

Tornar calma a minha vida

              

Ó águas que vão p'ró mar

Com seu azul

Como eu invejo a sua sorte

Barquitos a navegar

De norte p'ró  sul

De sul p'ró norte

                

Acalma das tuas águas

Acalma-me as minhas mágoas

Em dias de sentimento

As tuas águas revoltas

São sonhos á rédea solta

Na maré de sofrimento

                 

Por hoje chega     até amanhã já vou a estar com sono

 

I.   P.

publicado por linhaseletras às 00:56
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

mais sobre mim

pesquisar

 

Dezembro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
15
17
19
21
24
27
29