Algures no campo

 
Algures no campo
 
 
Acabo de almoçar num belo dia de Outubro, faz um calor de "Raxar" até parece que estamos no Verão, se não olhasse para o calendário e para as árvores já quase despidas não ia dizer que era Outono.
----------Assim convido o meu marido e vamos  até ao campo dar um passeio e esquecer um pouco a monotonia desse dia sem história.
-------Levo comigo o meu inseparável bloco onde escrevo o que me vai saindo do coração, e lá no  campo no meio da Narureza viajo para outra "Dimensão".
-----Fecho os olhos e ao som das aves que andam por ali a chilrear e a esvoaçar perto de mim sem medo, porque sabem que estou ali para lhes fazer companhia e não para lhes fazer mal, eu sinto-me invadir por uma Paz que me deixa a "alma lavada e leve"
---Deixo-me ficar um pouco a sonhar com aquela Paz que só consigo sentir no meio do  campo, e abandono o meus pensamentos deixando-os ir á deriva pelo "chaparral" dentro, voando com os pássaros e as borboletas.
-Mas de repente abro os olhos e vejo o meu marido á minha frente a rir-se e a dizer: Então tu vieste para o campo para dormir?Para isso tinhas ficado em casa na cama que era mais confortável!
 Tentei dizer-lhe o que estava sentindo, mas parece que não o consegui convencer quando lhe disse que aquele cheiro a "Eucalipto e Sargaço" me estava a transportar á minha infância quando andava com os meus Pais no campo, e até me estava a dar inspiração para alguns"sonetos".
             Sabem a resposta do meu marido?
.....Então descansa e continua a dormir que eu vou dar uma volta por aí!Então eu perguntei a um pássaro que ia a passar por cima da minha cabeça:Sabes onde este "Senhor" deixou a sencibilidade?
     Claro que  não obtive resposta mas nem era preciso porque eu sei que sencibilidade não  é o forte do meu marido.
.Peguei  no meu bloco e na caneta e comecei a escrever, não sei o que escrevi, mas sei que o vento  me tazia o cheiro  a mato e a pinheiro e isso fazia-me respirar melhor, de vez em quando o Sol espreitava por entre as folhas dos eucaliptos e vinha beijar-me, mas de repente escondia-se talvez com medo que o meu marido chegasse e ficasse zangado ou com ciumes.
-----Eu escolhi sair para o campo para escrever a minha história, porque da minha janela  não vejo nada  de interessante a não ser o Rio Tejo, mas cheiros só se for o do combustivel dos automóveis que passam na rua a toda a velocidade cheios de pressa para chegarem nem sabem onde.
,,,,Assim aqui vejo coisas oiço sons sinto os cheiros, tudo Natural sem fantasias ou exageros.
 
                       
Texto escrito para a:
                                       http://fabricadehistorias.blogs.sapo.pt
 
publicado por linhaseletras às 23:09
link do post | favorito