O meu banco

 
 
 
O meu banco
 
Sentada no banco descansando,
Com as águas do Tejo á minha frente,
Vejo as ondas dançando levemente,
E lindas gaivotas baloiçando.
 
Passa um barquito a navegar,
Cortando as ondas uma a uma,
Fazendo saltar a branca espuma,
E deixando preso o meu olhar.
 
Sinto que aquela Paz é só minha,
Ali não me lembro de mais nada,  
E o banco até serve de divã.
 
Quando regresso á tardinha,
Sinto que minha alma está lavada,
E volto a pensar no amanhã.
 
 
    M-I-P
 
 








publicado por linhaseletras às 16:37
link do post | comentar | favorito