Alentejo branco e dourado

 

 

 

Alentejo branco e dourado

 

 

As paredes brancas que hoje vejo,

A brilharem ao Sol morno  do Outono,

Fazem-me esquecer quanto abandono,

E quanto sofres "Tu" meu Alentejo.

 

Sofres ao sentires que a tua gente,

Tem de abandonar esse teu chão,

Despedaçando assim teu coração,

Que chora cada "filho" estando ausente.

 

Teus campos dourados, ressequidos,

Fazem-me sentir tal nostalgia,

Que lágrimas se soltam dos meus olhos.

 

Despertam assim os meus sentidos,

Misturam tristeza e alegria,

Se vejo as perdizes nos restolhos.

 

 

 Counting Sheep Até amanhã    M-I-P

 

 







sinto-me: Com sono
publicado por linhaseletras às 23:56
link do post | comentar | favorito